Notícias

Pesquisa revelou tendências que já estão acontecendo nas novas formas de trabalhar

nau_pesquisa

“Como é seu novo normal?”, esse foi o tema da pesquisa aplicada em junho de 2020 com 355 profissionais liberais, funcionários e proprietários de empresas privadas do RS; SC e PR. A pesquisa abordou o trabalho durante a pandemia, experiência de home office, saúde psíquica, expectativas para pós-pandemia e o que é importante num ambiente de trabalho. Ou seja, sobre as novas formas de trabalhar.

Os dados apontaram tendências que, neste início de 2021, já podem ser constatadas nas novas formas de trabalhar:

  • O Home Office foi aprovado – A tecnologia para trabalhar de qualquer local já estava disponível e a tendência de trabalhar assim também já estava em curso, vide a ascensão dos locais compartilhados de trabalho. Foi um teste forçado, mas que ao que tudo indica, funcionou.
  • A Busca por um Equilíbrio – Trabalhar em home office não é para todos, e mesmo os que gostam e se adaptam, o modelo pode não funcionar se for adotado todos os dias da semana. O melhor formato irá depender de cada perfil, e será necessário encontrar um equilíbrio entre o que o colaborador precisa e o que a empresa pode oferecer.
  • O Modelo Híbrido e a Descentralização é o caminho – O modelo híbrido de trabalho vem ganhando destaque para mesclar o home office com o escritório de trabalho. Estes escritórios podem ou não ser próprios, pois cada vez mais empresas estão buscando salas em espaços compartilhados como forma de economizar e descentralizar seus escritórios. Desta forma, oferecem mais um benefício aos funcionários, que podem optar por trabalhar de um ponto mais perto de sua residência. 

Camila Borelli, CEO do Nau, explica que é preciso encontrar um equilíbrio entre o digital e o físico, a produtividade e a qualidade de vida nas novas formas de trabalhar. “Como um espaço que nasceu para o mundo do trabalho, mas a partir de novos conceitos de compartilhamento, bem-estar, flexibilidade e diversidade, o Nau está sempre atento às mudanças. E essa pesquisa no ano passado se mostra hoje quase que como uma antecipação do que já estamos vivendo nesse início ainda de retorno e tantas expectativas coma vacinação”, destaca.  

A questão da Saúde Mental 

A Saúde Mental vem sendo uma forte preocupação com a pandemia em todo o mundo. Isolamento social, mudanças na rotina a trabalho, home office, maior convivência entre os familiares, desemprego, são apenas algumas das questões que impactam. A Pesquisa do Nau também perguntou como estava a saúde mental dos empreendedores. Na época, (junho/2020), a maioria respondeu estar um pouco tenso, mas ainda bem (62%); já 4,4%, disseram que a “coisa tava feia” e 5,3% estavam “a ponto de surtar”.

No Brasil a preocupação é grande quanto à saúde mental dos trabalhadores nas novas formas de trabalhar. Segundo os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), o país é o segundo com maior número de pessoas com depressão nas Américas, com 5,8% da população, e o país com maior prevalência de ansiedade: 9,3%. 

E como ficam os escritórios nas novas formas de trabalhar?

A pesquisa avaliou que os escritórios tendem a ser polos agregadores, pontos de conexão e experiência, e não mais apenas o local onde se executa o trabalho. O ambiente de trabalho tem que ser repensado além das questões sanitárias impostas pela pandemia, pois as pessoas já não têm mais as mesmas expectativas de antes. Com isso, relacionamento e experiência se tornaram imprescindíveis.

Quanto à infraestrutura, Sara Borelli, arquiteta e sócia do Nau, destaca que os escritórios terão estruturas mais espaçadas, sem tanta preocupação com a maximização de espaços. “Veremos mais espaços abertos e estações de trabalho compartilhados, sem demarcação de mesas, pensando na rotatividade que o escritório passará a ter. Além disso, haverá uma maior preocupação com a decoração dos espaços, sendo mais acolhedores, refletindo pontos positivos da experiência do trabalho em home office, e incorporando traços da arquitetura biofílica”, explica. 

Acesse aqui a íntegra da pesquisa: http://bit.ly/pesquisanau

X